domingo, 19 de março de 2017

E agora?


Parece uma sina: quando a gente acha um lugar para chamar de “casa” vem uma “bomba” e nos tira essa sensação.

Aconteceu com o Beco do Laranja, também com o Espaço JK, com o Barzin, com o Fox e agora com o Ace of Spades. Ontem, 18/03, eu ainda tinha esperança que o bar fora vendido e que semana que vem teríamos alguma programação no local que aprendemos a gostar, compartilhar e conhecer gente nova que acreditávamos “não existir” por aqui.

O Ace foi um daqueles locais que futuramente contaremos aos nossos netos e amigos que não conheceram lá. De como era foda poder chegar e ver bandas de rock fazendo shows de fato e não servindo como agregador de valor apenas. Algumas casas tem até mais condições técnicas e financeiras – e cara, tem PÚBLICO pra isso – mas estas investem no mais fácil.

Já está na história da Cultura de Vilhena. Vai fazer falta, principalmente para quem tocava lá e viu o que a cena musical alternativa de Vilhena pode ser e ali já era. Legal ver bandas indo ver outras tocarem e sempre nos fins de noite rolarem as jams, “tudo junto e misturado”.

Rolou de tudo, quase todos os estilos de som tiveram seus dias e tributos. Falo quase porque faltou um tributo “punk rock” lá.

O último show a gente nunca esquece

Enfim, por mais que doa dizer isso, para muita gente vai ficar aquele gostinho de “quero mais”, mas amanhã ou depois já vão adotar outros bares. Fica o peso mais para quem toca mesmo, que perde mais um palco nessa cidade cada vez mais dominada pelo sertanejo e pelos preconceitos.

O rock de Vilhena vai morrer?

Não meus queridos, não vai. Vai ser mais difícil para ver uma banda tocar, mas dizer que o movimento vai morrer é subestimar a vontade da gurizada. Procurem saber, logo logo mais shows vão vir, vocês verão.

2ª Convenção Tattoo Vilhena

Para não ficarem órfãos muito tempo semana que vem tem a 2ª Convenção Tatoo Vilhena, nos dias 24 a 26 de março, lá no Rotary Club, próximo ao Clube dos Estados.



Haverá palco aberto, para as bandas tocarem, então quem curte rock e quem quer tocá-lo já sabe onde procurar.

É prevista a participação de 60 tatuadores de vários cantos do Brasil, também do Peru e da Bolívia. A entrada vai ser um valor simbólico + 1 kg de alimento não perecível.

Se realmente querem ajudar a cena alternativa local acho que ir no evento de tatuagem é um bom começo.

Nos vemos por lá.


Entre em contato conosco

Dúvidas, sugestões, críticas? Entre em contato AQUI.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Então, é Natal, e o que você fez? :v

Querido Papai Noel (velho batuta),

Sei que anda muito ocupado e, confesso, que não fui um bom menino em 2016. Mas sei também que o senhor tem um bom coração e que gosta de levar alegria para todas as crianças (ou deveria né?), não importa a idade delas, de “mamando a caducando”.

Trago aqui minha lista de pedidos, não só individuais, mas coletivos, para que todos saiam ganhando nos próximos dias, meses e anos...

Que a Fundação Cultural de Vilhena se torne cada vez mais ponto de encontro de agentes culturais e interessados em manter viva a Cultura em Vilhena;

Que o Ace of Spades continue nessa jornada louca de abrir espaço para as bandas locais e traga bons shows para animar as nossas noites;

Que o Centro Cultural do SICOOB/Credisul seja uma importante casa para a circulação de shows, ideias e tecnologias tanto para a Cultura quanto para a economia vilhenense;

Que o estúdio de gravação (e ensaios) previsto e realizado por um grande amigo esteja em pleno funcionamento em 2017 e funcione por muito tempo;

Que saiam os EPs da SubpopRadio TeslaOs AlienistasJovino Lobaz e tantos outros para divulgarmos e irmos nas festas de lançamento;

Que continuem aparecendo novos talentos e os ícones da cidade voltem a se apresentar nos palcos locais;

Que Etc, etc...

 Bom, falando de Natal, etc, vamos compartilhar boas ações?

Você pode colaborar aqui: 



Amanhã tem Rock Jam no Ace of Spades, com vários músicos locais se apresentando com a finalidade de arrecadar brinquedos e recursos para fazer a alegria de muitas crianças carentes que vão receber presentes e as crianças maiores que vão ouvir muita música boa!

R$ 10 ou um brinquedo como entrada =]

Feliz Natal!


(Eu gosto é de Natal, então...na na na na nau)

terça-feira, 11 de outubro de 2016

SINCERICÍDIO #1 - “Vilhena não tem espaço para o Rock.”

DISCORDO E CONCORDO AO MESMO TEMPO, poucas cidades de Rondônia dão espaço para as bandas locais em eventos oficiais do município como Vilhena, sendo os programas “Arte na Praça” e “Noite da Seresta” os canais mais viáveis para esse acesso a um público diferente do que os roqueiros (com aspas ou não) estão habituados.

A oportunidade de tocar fora da sua zona de conforto pode causar estranhamento, tanto para a banda quanto para o público, mas se as pessoas não tiverem acesso ao que acontece na cidade como elas poderão decidir o que é bom ou não para elas mesmas?

Tem um livro chamado “10 anos de Goiânia Noise – em terra de cowboy quem toca guitarra é doido” que narra a saga de um dos festivais mais importantes da cena independente brasileira e como o mesmo serviu como canal para transformar a capital exportadora de duplas de sertaneja do país em uma das principais cenas rock do país que abriga, além do Noise, os festivais Bananada e Vaca Amarela, cada um referência na sua linguagem. Por que a gente também não pode conseguir?

Tem horas que a língua coça para dizer “no meu tempo era diferente”, mas eu estou inserido nesse tempo que é AGORA, então tenho que parar de reclamar e arregaçar as mangas novamente. Mas “uma andorinha só não faz verão”, certo?

Esses dias escutei (li na verdade) um “quando tiver lotado chama a gente”, vindo de um representante de banda local. Chamo, mas na fila tem muita gente na frente. Gente que está no rolê e que chama público por si só como Subpop e Loop7 (citei as duas por causa do nome mais consolidado) tem preferência na fila, sem medo de dizer que estou exagerando. Quase todo mundo quer tocar no Rock in Rio, mas só se tiver um QI muito alto para queimar todas as etapas e chegar direto lá, compreende?

Chame público e não tenha medo para tocar para meia dúzia de gatos pingados (pingado, hahaha, desculpa, piada interna) que são justamente os caras que querem ver e prestar atenção na sua banda. Melhor do que 100 pessoas que nem olham pro palco e esperam o próximo tributo vir...

Enfim, Vilhena é uma cidade tomada pelo sertanejo porque os caras da viola não tem medo de ocupar os espaços, quaisquer que sejam e se tiver algo contra eles os incomodados que se retirem. Para eles não tem tempo ruim e falta isso para as bandas vilhenenses: brio para ocupar espaços.

Não reclame de falta de espaços se vocês não fazem por onde ocupá-los. Os camisas pretas estarão lá para fazê-los lembrar do porque o rock é especial: ele nunca morre.


Como levar a sério alguém assim?
Bora debater?

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Aos pais, aos filhos e à você também

Dia dos Pais chegando e que tal levar o seu para um circuito cultural ao invés de dar aquela tradicional meia/gravata de presente? Como sempre muitas coisas serão realizadas em Vilhena (amém) e algumas das programações já aparecem por aqui.

Agora, falando sério, se possível circulem com seus pais neste fim de semana, um pouco de atenção sempre é bom. Tem praças, parque ecológico e locais de lazer para todos os gostos, tanto para pais quanto para filhos.

Aproveitem e deem aquele abração.



Agostarte à Beira Rio

Será realizado neste sábado (13/08) o "Agostarte à Beira Rio", experiência organizada pelo grupo Os Alienistas e que traz consigo uma lista de atrações dignas de um festival local de artes local, uma vez que nomes que despontam na cena alternativa da cidade estão confirmados: Gabi, Suzane, os próprios Alienistas, o rapper Vanderson de Jesus e Radio Tesla.

E não há só música: tem live painting de Vitor Gomes / DeadUnlike, poesia e artes cênicas.

Os ingressos custam R$ 3,00 antecipado e R$ 5,00 na hora. Isso se houver ingressos disponíveis, uma vez que o espaço acomoda um certo número de pessoas.



Cronograma:

14:00 h - Abertura
14:30 h - Radio Tesla
15:00 h - Vanderson de Jesus
15:30 h - Paulo Passos
15:45 h - Suzane Schmitka
16:15 h - Gabriella Schmadecke
16:45 h - Douglas Adriano
17:00 h - Os Alienistas
Exposições das 14 h até as 19 h.

Endereço do Agostarte: Av. BeiraRio (esquina com a Rua Getúlio Vargas), nº 3861, Centro. Em frente à Feira Municipal do Centro.

E O FIM DE SEMANA?

11/08 - QUINTA

Buteco
Show com Gabi Schmadecke

12/08 - SEXTA

Buteco
Show com Banda Urbanos

Ace of Spades
Show com Villa 21

13/08 - SÁBADO

Agostarte à Beira Rio
Shows com Radio Tesla, Vanderson de Jesus, Paulo Passos, Suzane Schmitka, Gabriella Schmadecke, Douglas Adriano, Os Alienistas + Exposições + Live Painting

QG
"Motorock", com show da banda Urbanos

Ace of Spades
Show com Subpop

Buteco
Show com Halisson & Renato

*BÔNUS TRACK

Falando na data comemorativa: o diabo é o pai do rock?

Tem gente que discorda...


Desejamos um ótimo final de semana e feliz dia dos pais, sejam eles biológicos, de criação, de consideração, mães/avós que assumem a criação.

O importante é o amor \o/

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Capturando os monstros preconceituosos e da desinformação

"Preparem-se para a encrenca..."

Não, espera!

Diferente dos outros posts sobre as programações de fim de semana optamos em ilustrá-lo, uma vez que é bastante coisa, boa parte por "culpa" do Grupo de Teatro Wankabuki e suas ações. Como é MUITA PROGRAMAÇÃO - no caps lock mesmo - logo abaixo postamos a programação completa.

Também tem um assunto meio espinhoso, apesar de toda a evolução que a mídia vilhenense tem tido. A capa da Folha do Sul da edição 30/07 a 05/08 é pauta para comentários também.

Por fim temos as dicas de fim de semana e um bônus track de auto ajuda, chegando até o fim vocês vão entender.

Agora, o momento "coluna social":

MANDOU BEM

O Grupo Wankabuki traz uma extensa programação para o 2º Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas. Não só é grande a programação, mas também muito diversa e abrangente geograficamente. Oficinas, debates, apresentações nas ruas e também em espaços fechados. Confira:




Tem escola, tem praça, tem campus da universidade federal e bar ocupados positivamente.

O teatro agradece.


MANDOU MAL

A capa da edição de 30/07 a 01/08 do Jornal Folha do Sul prestou, infelizmente, um desserviço ao colocar em sua capa que "Clipe de cantora terá tema gay". Não li a matéria - a chamada da capa e nem o título interior muitas vezes não são responsabilidade do repórter que escreveu a matéria -, mas a manchete pegou mal.



Segundo a própria compositora e intérprete da canção "As várias paixões que já tive", Gabi Schmadecke: "É inevitável alguém se identificar com essa música. A gente se apaixona, desapaixona, apaixona de novo e aí vai. Essa música é pra todos apaixonados pela vida!"



Não precisa dizer que é disso que se trata a canção, DE PAIXÃO, das várias formas e cores que ela acontece. Paixão pela vida, pelas pessoas, pelo trabalho, pelo ... o que for. Reduzir tal conceito em uma chamada polêmica que distorce a ideia artística para garantir "audiência"é desnecessário e joga contra a Gabi e toda equipe (técnicos e figurantes) do clipe produzido para esta música especificamente, clipe que pela prévia vai ser muito bonito.

Se bem que colocar Gabi e beleza na mesma frase é redundância/pleonasmo.

Gabi sua linda, vou apanhar em casa, mas a causa é justa.

Para quem não ouviu ainda a música só clicar aqui e conferir. Aproveite e visite toda a página da artista no Soundcloud. A favorita aqui da casa é "Sempre acreditei", inclusive tenho uma história imaginária pronta pra ela, toda vez que escuto eu penso em desenhos...


AGORA, DE VOLTA ÀS PROGRAMAÇÕES NORMAIS

05 de agosto - Sexta

Picanha na Chapa
Noite da Seresta

Old Ranch
Show com João Ricardo e Juliano

Strike Boliche
Show com Villa 21


Bar Budos
Show com Dema


06 de agosto - Sábado

Ace of Spades
Peça "A sobrevivente", do grupo cuiabano Aqueles 2 + Show da banda Tiranossauros

07 de agosto - Domingo

Bar Budos
"Domingueira reggae", com shows das bandas Villa 21 e Urbanos


*Bônus track

Era para escrever alguma coisa, mas vou deixar o alter ego do Adam falar por mim:




Valeu, até a próxima.

Vou ali caçar uns Pokemons!

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Não para, não para, não para não!

É isso mesmo, mais um final de semana chegando e o 3 acordes segue com suas dicas para o próximo fim de semana e hoje com direito a mais de uma "bônus track".

Depois do final de semana passado agitado com diversos shows, entre eles o evento Festival de Música Portal da Amazônia - confira a resenha - e o Especial Beatles que foi realizado lá no Ace of Spades.

Mas já que passado é passado, vamos para algumas dicas para este final de semana:

28 de julho - Quinta

Buteco Vilhena
Show com Gabi Schmadecke

Village
Show com Mateus Verine e convidados


29 de julho - Sexta

Ace of Spades
Show com Valter Cléio (Rolim de Moura)

La Varanda
Guilherme Henrique

Bar Budos
Show com a banda Villa 21

30 de julho - Sábado

Ace of Spades
Show com Loop7 +. DJ Press

Buteco
Halison e Renato


Bar Budos
Show com Os Alienistas


House Tabacaria
Show com a banda Urbanos


Bônus tracks

* Grupo Teatral Wankabuki abre inscrição para as oficinas do 2º Festival Amazônico de Monólogos e Breves Cenas, quer saber mais, clique aqui.




* Ace of Spades Bar entrega donativos ao projeto social Bushido, confira aqui.




Qualquer novidade é bem vinda, quem souber de mais programações só enviar nos comentários.

Curtam o final de semana!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Festival de Música Portal da Amazônia em algumas palavras

Sabe aquela sensação de vencer na vida? Aquela que vem mesmo com algo que não é grande em tamanho, mas simbólico?

Pra mim ela veio ontem (24/07), na Praça Ângelo Spadari, durante o Festival de Música Portal da Amazônia. Já era noite e uma criança no colo de sua mãe, pequena e aparentava ter no máximo dois anos de idade. A criança estava sonolenta, mas ao passar em frente às caixas de som levantou e desceu a cabeça e balançou os braços ao som da banda Subpop.

Sandro Vieira e Os Alienistas: a tropicália vilhenense

Não só crianças, mas idosos e jovens, vestidos de preto ou não, estiveram nesse último fim de semana lá na praça e ouviram praticamente de tudo, metal a sertanejo. A diversidade que as atrações musicais trouxeram agradou ao público presente, que também era bem diverso, não só havia camisetas pretas de costume, mas também cowboys, famílias em geral e hipsters também.

A ocupação positiva do lugar com o cuidado do pessoal da organização – Serpentário Produções – gerou o que se espera de eventos públicos: felicidade estampada nos rostos dos presentes e reações boas quando o estilo musical apresentado não era de acordo com os costumes locais.

Subpop e uma parede sonora

É notável a renovação, evolução e consolidação da cena musical local. Como o Dr. Newton Pandolpho falou “é impressionante uma cidade do tamanho de Vilhena consiga manter tantas manifestações de forma independente, sem depender necessariamente do poder público. De fato é. E impressiona realmente.

O rock/metal ficou por conta das bandas Urbanos, North Rockets, NELE, Loop7, Subpop, Vector e Necrovha, cada uma de um estilo, o que é outra coisa legal de nossa cidade, as bandas têm identidade, não se parecem umas com as outras (só com os integrantes. O som favoreceu as bandas, principalmente na parte do peso.

Também a presença feminina foi garantida com Gabi Schmadecke e Suzana Schmitka, com cada uma desfilando suas vozes delicadas e marcantes ou como disse um dos espectadores presentes “cremosas e aveludadas”.

Gabi Schmadecke iluminada pelo Sol

Jovino Lobaz (voz, violão e ukulele), tocou só músicas autorais e mostrou uma outra face da cena local “alternativa”: aposta em canções próprias e interpretações, deixando de lado covers engessadas. Foram o que mostraram também Sandro Vieira e Os Alienistas, que transformam canções e adaptam cada qual ao seu jeito, com direito a performances visuais e corporais.

Vanderson Jesus e o rap vilhenense

A diversidade também ficou por conta de Murilo & Gustavo, sertanejo, com bom entrosamento de voz e Vanderson de Jesus, que trouxe a mensagem do rap – inclusive mandando autoral também. Infelizmente não consegui ver todas as apresentações, mas felizmente o nível foi bem parecido devido aos comentários que ouvi.

Ponto positivo para o Festival e à Serpentário Produções, que organizou o evento. O público ficou satisfeito e muita gente teve a oportunidade de conhecer o que acontece pela cidade. Foi uma vitória não só deles, foi de todo mundo que respira cultura em Vilhena.

Festival de Música Portal da Amazônia em algumas palavras

Sabe aquela sensação de vencer na vida? Aquela que vem mesmo com algo que não é grande em tamanho, mas simbólico?

Pra mim ela veio ontem (24/07), na Praça Ângelo Spadari, durante o Festival de Música Portal da Amazônia. Já era noite e uma criança no colo de sua mãe, pequena e aparentava ter no máximo dois anos de idade. A criança estava sonolenta, mas ao passar em frente às caixas de som levantou e desceu a cabeça e balançou os braços ao som da banda Subpop.

Sandro Vieira e Os Alienistas: a tropicália vilhenense

Não só crianças, mas idosos e jovens, vestidos de preto ou não, estiveram nesse último fim de semana lá na praça e ouviram praticamente de tudo, metal a sertanejo. A diversidade que as atrações musicais trouxeram agradou ao público presente, que também era bem diverso, não só havia camisetas pretas de costume, mas também cowboys, famílias em geral e hipsters também.

A ocupação positiva do lugar com o cuidado do pessoal da organização – Serpentário Produções – gerou o que se espera de eventos públicos: felicidade estampada nos rostos dos presentes e reações boas quando o estilo musical apresentado não era de acordo com os costumes locais.

Subpop e uma parede sonora

É notável a renovação, evolução e consolidação da cena musical local. Como o Dr. Newton Pandolpho falou “é impressionante uma cidade do tamanho de Vilhena consiga manter tantas manifestações de forma independente, sem depender necessariamente do poder público. De fato é. E impressiona realmente.

O rock/metal ficou por conta das bandas Urbanos, North Rockets, NELE, Loop7, Subpop, Vector e Necrovha, cada uma de um estilo, o que é outra coisa legal de nossa cidade, as bandas têm identidade, não se parecem umas com as outras (só com os integrantes. O som favoreceu as bandas, principalmente na parte do peso.

Também a presença feminina foi garantida com Gabi Schmadecke e Suzana Schmitka, com cada uma desfilando suas vozes delicadas e marcantes ou como disse um dos espectadores presentes “cremosas e aveludadas”.

Gabi Schmadecke iluminada pelo Sol

Jovino Lobaz (voz, violão e ukulele), tocou só músicas autorais e mostrou uma outra face da cena local “alternativa”: aposta em canções próprias e interpretações, deixando de lado covers engessadas. Foram o que mostraram também Sandro Vieira e Os Alienistas, que transformam canções e adaptam cada qual ao seu jeito, com direito a performances visuais e corporais.

Vanderson Jesus e o rap vilhenense

A diversidade também ficou por conta de Murilo & Gustavo, sertanejo, com bom entrosamento de voz e Vanderson de Jesus, que trouxe a mensagem do rap – inclusive mandando autoral também. Infelizmente não consegui ver todas as apresentações, mas felizmente o nível foi bem parecido devido aos comentários que ouvi.

Ponto positivo para o Festival e à Serpentário Produções, que organizou o evento. O público ficou satisfeito e muita gente teve a oportunidade de conhecer o que acontece pela cidade. Foi uma vitória não só deles, foi de todo mundo que respira cultura em Vilhena.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Me dê motivos para ficar em casa....

...que nós aqui lhe daremos mais de 30 para sair e se divertir. Sinta a vibe da "nossa redação" para este fim de semana:

"Aeeeeee, car****"

Sério, tem muito tempo que só falamos do quanto a cena cultural de Vilhena se expande, independente da fonte de captação de recursos, de organizadores, etc. Já é uma realidade, tudo JÁ ESTÁ ACONTECENDO.

Nosso blog está aqui para divulgar e futuramente fazer matérias sobre as atividades para que o maior número de pessoas tenham acesso e participem ativamente da construção de um cenário que só tende a crescer quando todos se mobilizam desde a divulgação até a execução (e prestação de contas em alguns casos).

Mas chega de papo, olha só o que este final de semana reserva para Vilhena, o Portal da Amazônia:

22 de julho - Sexta

20:30 h - Cobertura do Acquarius
"Música boa ao vivo" - com Katia Valleria, Adriana de Oliveira, Márcia Aranda, Derival Marcião e Manoela Valente.
Ingressos e informações, tel 98401 1964

22 h - Bar Budos
Show com Cláudio Monteiro + Urbanos

22 h - Ace of Spades
"Justice for all" - com The Blank e DJ Luciano Sampaio
Ingressos e informações, tel
 Lina (98132-5399), o Klinger (98100-3617) ou a Iany (98449-0741)

23 h - Garagem Bar
Show com Gabi Schmadecke


23 de julho - Sábado

15 h - Praça Padre Ângelo Spadari
"Festival de Música Portal da Amazônia" - com Urbanos, Radio Tesla, Gabi Schmadecke, Denisson Campos, North Rockets, Vanderson de Jesus, NELE, Poet, Desordem e Vector + Dead Unlike.

22 h - Ace of Spades
"Tributo aos Beatles" - com MuckLovin' Trio



24 de julho - Domingo



15 h - Praça Padre Ângelo Spadari
"Festival de Música Portal da Amazônia" - Murilo & Gustavo, Mateus Verine, Leo & Cristiano, Sandro Vieira, Jovino Lobaz, Suzane Schmitka, Os Alienistas, Loop7, Subpop, Necrovha, Nayara Ferreira Pereira e Kamila Carolina da Costa + Dead Unlike.

Bom, por enquanto é só. Se alguém tiver alguma programação além dessas só deixar um comentário.

Nos vemos por aí!

sexta-feira, 8 de julho de 2016

É o fim.... de semana chegando \o/

Olá seus habitantes do fim do mundo, tudo bem?

Alguns contratempos aconteceram, mas vamos voltar à programação normal logo logo. No mais, siga umas dicas que deixamos por aqui:

08 de julho - Sexta

22 h - Ace of Spades
Show com Kátia Valleria & Adoniram Brelaz

09 de julho - Sábado

21 h - Bar Budos
Show D Kukas + Live Painting Vitor Gomes / DeadUnlike

22 h - Ace of Spades
Comemoração ao Dia Mundial do Rock com Loop 7

E volte aqui semana que vem, porque tem muitas novidades vindo por aí!